• Examples of standart pages

    Historial

    Taste From Portugal

Historial

O Queijo Serra da Estrela

O seu aparecimento é anterior ao séc. XII, sendo que é o mais antigo dos queijos Portugueses e dos mais afamados de todo o Mundo.

Columela, oficial do exército romano e nascido na Península Ibérica há cerca de 2 000 anos, conta a produção do queijo da Serra da Estrela no primeiro tratado de agricultura conhecido. Ainda assim foi Gil Vicente quem lhe teceu rasgados elogios.

Todavia, as primeiras grandes abordagens académicas sobre o queijo da Serra da Estrela só começaram nos finais do Século XIX com Ferreira Lapa, Wenceslau da Silva e outros tantos.

Nos dias de hoje, a produção do queijo é ainda feita de uma forma tradicional, honrando o que vem sido feito há centenas de anos. Assim, cabe aos pastores saírem com o rebanho de manhã e regressar ao fim da tarde. Por seu turno, são as mulheres que confecionam o queijo de acordo com a arte que as suas antecessoras lhes legaram.

Os pastos da Serra alimentam as ovelhas das raças "Serra da Estrela" ou "Churra Mondegueira", que são consideradas como as de melhor aptidão leiteira.

O Queijo da Serra foi nomeado, em 2011, uma das 7 Maravilhas da Gastronomia de Portugal e nós, indiscutivelmente, temos para oferecer este produto tão delicado quanto excelente.

 

A Rota da Transumância 

Em tempos longínquos, com a aproximação dos invernos severos, os pastores da Serra da Estrela desciam para a Cova da Beira, Castelo Branco e Idanha-a-Nova à procura das melhores pastagens. Contudo, se era assim no inverno, com a aproximação do verão estas jornadas eram feitas no sentido oposto. Estas iniciavam-se em novembro, com a deslocação do rebanho "alvão", mais sensível ao frio e carente de alimento, para, entre outros destinos, Campinas da Idanha, ou Cova da Beira, na região de Castelo Branco, uma região com clima mais quente e com vastas planícies. Até ao mês de Abril era aqui que permaneciam.

Assim, nasceu a pastorícia da região da Beira Baixa. 

Por sua vez, a produção de queijo surgiu, quase que espontaneamente, como forma de aproveitamento de um recurso fornecido pelo gado, que, pelos motivos já supracitados, se concentravam, por alguns períodos, nas Campinas da Idanha.

Embora a origem dos queijos produzidos na Beira Baixa aponte para a Serra da Estrela, outros tantos fatores foram determinantes para conquistar queijos de grande qualidade e renome, com características singulares e únicas. Falamos do microclima da Cova da Beira, Castelo Branco e Idanha, que presenteia as pastagens com uma qualidade indiscutível. - Primavera amena e grande proteção dos ventos atlânticos, bem como a origem granítica ou xisto-argilosa dos solos de encosta, profundos e bem drenados.

Estes queijos têm evoluído e aperfeiçoando-se incessantemente, tanto na inovação como na adaptação aos gostos dos consumidores e às novas exigências do mercado, indo de encontro ao mais elevado nível de degustação, onde todos os sentidos são combinados de forma delicada.  

Enchidos Segredos da Beira

Os enchidos «Segredos da Beira» Gourmet é um autêntico ex-libris da gastronomia da Região. São totalmente artesanais e guardam uma riqueza de paladar que muitos julgavam perdida. 
As nossas origens, as nossas receitas, a nossa tradição...Serra da Estrela/ Beira Baixa.
Nas Beiras, bem como em todo o Interior de Portugal, o porco sempre foi um impulsionador na economia das populações locais, sendo que quase todas as famílias criavam o porco para seu sustento. 
Elaborados a partir das melhores carnes e condimentos, alcançamos produtos de qualidade inigualável e com sabores deleitosos.

Aguardentes Serra da Estrela

 O Medronheiro, próprio da Serra da Estrela, desenvolve-se nos bosques, no mato e nas regiões rochosas. Apresenta-se como uma arbusto ou pequena árvore de folha persistente. Os seus frutos (3 cm de diâmetro) surgem nos raminhos verdes dando cor à árvore, uma vez que nascem amarelos e, progressivamente, vão-se tornando vermelhos. Estes últimos, bagas vermelhas comestíveis, são utilizados para fazer licores, aguardentes e conservas. 

Em Portugal cultiva-se como árvore de fruto e como árvore ornamental.